Skip to content

Rota do Vale do Minho

Esta rota permite-nos conhecer todas as igrejas românicas do vale do Minho, onde é visível a influência galega. O percurso é linear, desenvolvendo-se da foz em direcção a montante.

Número de igrejas: 11

Percurso total: 156 km

Duração recomendada: 2 dias

Primeiro dia: Partimos de Caminha e começamos por visitar a capela de São Pedro de Varais – esta capela, situada num local isolado, apresenta bastantes semelhanças com a de São Cláudio de Nogueira, situada perto de Viana do Castelo. Adentramo-nos depois pela serra de Arga, para visitarmos o mosteiro de São João de Arga, escondido no meio da serra. Este mosteiro impressiona-nos sobretudo pelo seu enquadramento paisagístico. Seguimos depois pela zona de Paredes de Coura, para visitar a igreja de Rubiães, com as suas intrigantes estátuas-colunas. Descemos então até Valença e começamos a subir o vale do Minho, onde nos esperam duas igrejas (Ganfei e Sanfins de Friestas), que se destacam principalmente pela volumetria dos seus capitéis, que não tem paralelo no românico português. No caso de Ganfei, os capitéis encontram-se todos dentro da igreja, pelo que se justifica uma visita ao interior da mesma. O dia termina em Monção.

Segundo dia: Saímos de Monção e procuramos, alguns quilómetros para sueste, a igreja de São João de Longos Vales, que tal como as duas últimas igrejas do dia anterior, também impressiona pelos elaborados capitéis que tem na abside. Prosseguimos para nordeste, em direcção a Melgaço, onde existe um interessante conjunto de monumentos românicos: um pouco a sul da vila, em Paderne, encontramos o mosteiro de São Salvador, que é talvez o melhor exemplo no Alto Minho de uma igreja românica com bandas lombardas; na vila de Melgaço, deve visitar-se a igreja de Santa Maria da Porta, onde o tímpano do portal norte se destaca pelo feroz canídeo que ostenta; finalmente, um pouco a norte encontramos as igrejas da Orada e de Chaviães, ambas com bastantes elementos escultóricos. Finalmente, saímos de Melgaço em direcção ao Parque Nacional e paramos em Lamas de Mouro, onde a igreja, embora já muito alterada, conserva ainda um portal românico do lado sul.

Mapa interactivo

Anúncios
%d bloggers like this: